ETEs Sistemas de tratamentos de esgotos

- Produtos -

estação de tratamento de esgoto compacta

ETEs Modulares

O principal diferencial deste tipo de estação de tratamento é seu layout, pois em um único módulo horizontal, com compartimentos internos, ocorrem todas as fases do tratamento.
O sistema é composto por módulo único em fibra de vidro, fabricado com resinas quimicamente resistentes e próprias ao contato com o meio agressivo. Suas etapas internas são:
estação de tratamento de esgoto

ETEs Anaeróbias

As estações de tratamento de esgoto anaeróbias caracterizam-se basicamente pela ausência de fase aerada no processo de tratamento.
O princípio de tratamento é totalmente biológico e anaeróbio, ou seja, a degradação do esgoto ocorre através de bactérias anaeróbias (que não necessitam de oxigênio para sobreviverem). Essas estações são compostas basicamente por reatores anaeróbios (RAFA / UASB) seguidos de filtros biológicos anaeróbios, sem uso de nenhum equipamento elétrico acoplado ao sistema. Uma das grandes vantagens do sistema, pois essa característica possibilita redução de custos de funcionamento, operação e manutenção da ETE, bem como possibilita menor investimento na aquisição destas. vEstes equipamentos são produzidos especificamente para o tratamento de esgoto e por isso produzem um efluente que atende plenamente aos padrões estabelecidos pelos órgãos ambientais, pois têm uma eficiência de 80% a 85% na remoção de DBO (demanda bioquímica de oxigênio). Os equipamentos são totalmente estanques e herméticos, produzidos em fiberglass de alta resistência química e mecânica, atendendo todas as especificações das normas vigentes. As resinas poliéster utilizadas são especificas para atender o que determina o item 5.2 da NBR 7229/93 e 4.1.3 da NBR 13969/97 principalmente no que se refere à resistência ao ataque químico de substâncias contidas no esgoto afluente ou geradas no processo de digestão dos esgotos.

Vantagens do Sistema

ETEs mistas e Lodos Ativados

As estações de tratamento de esgoto mistas caracterizam-se pela existência de uma fase anaeróbia de tratamento, seguida por fase aeróbia, onde ocorre a oxigenação do efluente.

Já o sistema de Lodos Ativados não tem a fase anaeróbia preliminar.

Devido a essa diferença básica da aeração do efluente com relação as ETE’s anaeróbias, nestes sistemas se consegue uma eficiência de tratamento acima de 90% na remoção de DBO, o que aliado a outros equipamentos periféricos pode proporcionar o reuso do efluente.